• faleconosco788

A falta de dopamina influencia na vontade de doces


A vontade de comer doces não é apenas uma tentação: tem uma explicação fisiológica.

O doce dá uma sensação de prazer e felicidade, pois ele mexe com neurotransmissores, como a dopamina e a serotonina, ligados a esses sentimentos. Tanto o açúcar dos doces quanto das outras fontes carboidratos (como massas, pães e biscoitos) tem esse efeito – a diferença é que o primeiro chega à corrente sanguínea muito mais rápido.


Quando entra na corrente sanguínea, a glicose produz um pico de insulina. E logo vem aquela sensação de energia, mas em pouco tempo a fome volta. E é assim que o pâncreas se acostuma a produzir altos níveis de insulina.


A resistência à insulina, no caso de obesos e diabéticos, eleva a vontade por doces porque as células não recebem glicose, que fica retida no sangue, e portanto continuam "famintas".

Além disso, no frio, o corpo produz mais calor e gasta mais energia, motivo pelo qual o apetite por doces aumenta.